Friday, February 14, 2014

A onomatopeia da máquina de lavar roupas

Sou um cara que tem dificuldades em entender como funcionam as onomatopeias. Onomatopeia é aquela palavra que corresponde a um som, seja de um objeto, seja de um animal. Na língua inglesa, a onomatopeia é capaz de transformar um som em verbo ou em substantivo, como “bater à porta”, que virá “knock at the door” ou beat, que significa batida.

Quem não lembra de ter visto a velha série do Batman na TV com seus “Pow”, “Soc” ou “Bam”? Ou os quadrinhos com “Cabum”, “Ploft”, “Zum” e “Zap”? Certa vez entrevistei o maior goleador que o Internacional já teve, o Carlitos. Era um sujeito muito simpático e que gostava de contar suas façanhas dentro de campo, no auge do Rolo Compressor. Mas o mais curioso é que ele narrava suas histórias com os respectivos sons. Era mais ou menos assim que ele fazia seus relatos: “Eu era muito rápido, um azougue. Quando partia na corrida, ninguém me buscava. Era lançar a bola, zupt, e eu voava baixo, zum, pegava e bola e puft. Mais um gol do Colorado”.

Mas que som faz a máquina de lavar roupas? Em qualquer revista em quadrinhos, que são especialistas no uso de onomatopeia para ilustrar suas cenas, as máquinas lava-roupas fazem “Chug-chug”. Não me parece ser esse o som que ela faz. A minha, por exemplo, acho que “fala” cada dia uma palavra ou frase diferente. Outro dia ela dizia: “vaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorreraicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrervaicorrer”. Parecia que a máquina reforçava o pedido da minha mulher, que quer que eu perca a barriga.

Porém, a maior aconteceu na semana passada. Estava eu lá a colocar roupas na máquina com a quantidade necessária de sabão e amaciante. Ligo a máquina e vou preparar o almoço. Sim, lá em casa eu lavo roupa e faço comida. São reflexos da profissão e dos tempos modernos. Bem, estava a cortar cebolas, refogá-las e preparar a carne quando começou a máquina com seus sons estranhos. “joganalotojoganalotojoganalotojoganalotojoganalotojoganalotojoganaloto”

Não tive dúvidas e na hora de ir para o trabalho passei na loteca e joguei na Mega-Sena, que estava acumulada. Fiz daquelas apostas mais caras, com sete números, teimosinha e no escuro. Gastei uns R$ 50,00. Nessas horas tem que acreditar na sorte.

Maldita onomatopeia! Joguei dinheiro fora, pois apostei no jogo errado. Na hora de conferir, vi que os números que costumo apostar saíram todos, mas na Loto e não na Mega-Sena. Perdi uns R$ 200 mil, por não dar atenção à máquina de lavar. Quando comento que escuto o que a minha máquina tem a dizer, me chamam de maluco. Será?

No comments: